Frase


“Em tempos de embustes universais, dizer a verdade se torna um ato revolucionário.” - George Orwell

Arte contemporânea é pauta de debate promovido pela Arte/Formatto

No dia 7 de outubro, sob curadoria do professor e crítico Rafael Maia Rosa, ocorre uma mesa de debate que pretende discutir os caminhos que um artista percorre para sair do anonimato e alcançar reconhecimento no meio artístico.
A conversa será na Galeria EUROARTE, em São Paulo, em meio a mostra de arte contemporânea promovida pela ARTE/FORMATTO, com cerca de 150 obras de 50 artistas da nova geração disposta a expandir os limites de sua arte, tornando-a mais visível e acessível, inclusive com o uso de plataformas digitais de divulgação. Com a entrada em cena de novos colecionadores, que começam um acervo pessoal com obras adequadas às várias faixas de aquisição no mercado da arte, este é o momento em que o negócio se expande.
Bruno Dunley, Carla Chaim e Thais Rivitti participam da mesa, ilustrando esse novo cenário e apresentando suas experiências de início de carreira e engajamento com iniciativas de estímulo ao surgimento de novos nomes no mercado de arte.

O ratinho criado por Tatiana Belinky

Aprender a lidar com as insatisfações na infância é uma das tarefas mais complexas para os pais. Em momentos de birras, algumas crianças se jogam no chão, mexem em tudo o que veem pela frente, choram quando não querem comer e até inventam desculpas para dormir. Uma dessas situações acontece com o filho da Rata Cinzenta em Ratinho Manhoso, livro da renomada autora Tatiana Belinky, que acaba de ganhar nova edição pela Editora Moderna.
No enredo, a mãe do bichinho não sabia mais o que fazer para que ele pudesse dormir. Ela decidiu cantar uma canção, mas o ratinho não gostou da voz fininha de sua progenitora e pediu para que ela lhe trouxesse uma babá que pudesse fazê-lo ninar. Prontamente, a Rata Cinzenta atendeu ao pedido e levou a Pata Branca para cantarolar, mas os dotes vocais não atraíram o filhote, que continuou a reclamar. Dessa forma, a mamãe foi atrás da Dona Sapa Verde, da Dona Arara Azul, assim como da Dona Porca Rosada, mas ninguém agradava o ratinho. Até que aparece uma misteriosa Gata Ruiva! Mas será uma boa ideia colocar a gata para ninar um rato?
O livro Ratinho Manhoso está na segunda edição e faz parte da Coleção Girassol que está ganhando cara nova, com projeto gráfico e capa totalmente reformulados.

Comício fora de época (ou o delírio do Lula)

Hitler dizia que uma mentira repetida exaustivamente torna-se verdade. Mas, esse pensamento de Hitler o sufocou e ele foi derrotado. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) acredita na frase de Hitler. Melhor: age de acordo com esses princípios nada honestos.
Ele repete exaustivamente não ser o culpado por seus crimes. Mas as provas verbais brotam por todos os lados. Estariam todos os delatores mentindo e Lula falando a verdade? Óbvio que não. O ex-presidente aproveitou sua ida a Curitiba, onde depôs ao juiz Sérgio Moro, para fazer um comício.
Na Praça Generoso Marques o delírio, mais uma vez, teve lugar na fala de Lula. Ele não só reiterou sua candidatura à Presidência da República em 2018, como criticou os envolvidos nos processos em que é acusado, fazendo uma comparação com a Guerra do Iraque e o ex-presidente George W. Bush, que havia atacado o país árabe alegando que ele possuía armas químicas, o que não se comprovou. “O mentiroso tem que ficar com a mentira para o resto da vida. É que nem o Bush, que disse que tinha arma química no Iraque e nunca disse ‘me desculpe, eu estava errado'”, afirmou. “Me acusaram injustamente e quero ver pedirem desculpas”, discursou.

Frase

Esquecer é uma necessidade. A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa de apagar o caso escrito. - Machado de Assis

Consciência Corporal encerra oficina teatral

Alunos da Oficina de Iniciação Teatral Vamos Brincar de Fazer Teatro - oficina realizada pela Companhia de Eventos Lionarte – concluíram o primeiro módulo de atividades com uma aula aberta para convidados. A Lionarte atua a mais de 20 anos na iniciação e formação de atores e técnicos teatrais.
Durante o processo da Oficina de Consciência Corporal, coordenado pela Bailarina do Espaço Arte, Katarina Justino, a turma pode conhecer mais sobre o corpo, sua importância, movimentos e possibilidades, a partir do estudo e sistematização da linguagem do movimento e os diversos aspectos, propostos pelo “pai da dança-teatro” Rudolf Laban. Para uma plateia de convidados os alunos fizeram uma Aula Aberta onde puderam apresentar um exercício performático individual, construído a partir do processo de aprendizado. No encerramento, os oficiandos, individualmente, exercitaram o seu processo de criação a partir do uso do corpo e de suas ações. 
A Oficina Vamos Brincar de Fazer Teatro 2017, é realizada de forma gratuita e conta com alunos de Limoeiro e cidades vizinhas, teve inicio no final de Julho, e visa promover a produção das artes cênicas de Limoeiro e região, descobrindo novos talentos através das oficinas na área de teatro. Com o término da oficina de Consciência Corporal, os alunos continuam com as oficinas de História do Teatro com Maciel Alves e Interpretação com Radaméis Moura, havendo agora o inicio da Oficina de Cenografia/Cenotécnica com a coordenação de Marcos Antônio Mendes. Outras atividades ainda estão previstas no decorrer do projeto.
por Luiz Pereira Neto

Candidatos a mentirosos (ou o urinou de Lula)

O ex-procurador Marcelo Miller e os executivos da JBS Joesley Batista e Ricardo Saud, estão presos. Trata-se de prisão temporária. E o que fizeram essas “crianças”? Joesley e Ricardo, de acordo com o Ministério Público Federal, ocultaram informações no acordo de delação feito pelos seus advogados. Muito provavelmente também foram ajudados a elaborar os termos do acordo.
Já Marcelo teve seu nome mencionado nas gravações feitas pelos delatores. Ele negou que tenha feito jogo duplo ou agido contra a lei. O ex-procurador declarou que, quando exercia o cargo, “nunca atuou em investigações ou processos relativos ao Grupo J&F, nem buscou dados ou informações nos bancos de dados do Ministério Público Federal sobre essas pessoas e empresas”. 
Vamos lá. Joesley afirma em gravação que faria tudo para não ir preso. De acordo com reportagem publicada na Veja desta semana, os executivos da JBS compravam medidas cautelares a ministros do Superior Tribunal de Justiça, que eram favoráveis à empresa. Parece que ele joga mesmo todas as cartas para não ficar preso. E se for inevitável a prisão?
Algumas das ligações dos Batistas foram, ao que parece, com Michel Temer, Dilma Rousseff e Lula da Silva. É aí que surge “uma pontinha do drama”, parafraseando Machado de Assis. Num novo acordo possível, no xilindró, Joesley e os demais deverão mesmo contar tudo (ou quase tudo) que sabe para ver sua pena reduzida. Nenhum desses nomes grandes será poupado. Mas ele será o mentiroso da vez, a exemplo de todos os “mentirosos” que trataram com Lula e comiam na mesma mesa e participavam das mesmas negociatas e, juntos assaltaram o Brasil, e eram como carne e unha, dignos de confiança e apreço, até falarem o que sabiam sobre si e sobre Lula e serem taxativamente chamados de mentirosos. 
Imediatamente a militância lulista trata de descredenciar quem quer que ouse dizer o que sabe. Ainda que seja o Papa Francisco, não parecerá mais que um mentiroso sem-vergonha. A lavagem cerebral foi tão descomunal que era como se Lula tivesse urinado dentro de uma garrafa e dito aos seus militantes que é coca-cola. Eles bebem, dizem que é coca-cola, e pensam que os demais brasileiros dirão que realmente é coca. É uma outra casta brasileira, cujo vulgo é “urinou de Lula”.

Foto: Brasil 247

Sivaldo Venerando. Tecnologia do Blogger.